Papai Noel, a criança, Jesus...e presentes: Feliz Natal!



Ele é velho, muito velho. Não imagino a sua idade, mas há muitos e muitos anos ele aparece (ou não!) distribuindo presentes para as crianças que crescem e geram outras crianças que também crescem.

Mas qual a representatividade deste idoso, destas crianças e destes presentes? E o que o nascimento de Jesus tem a ver com isso? Fiquei pensando.

Quando Jesus traz a redenção da humanidade, traz com isso o principio do amor incondicional ao próximo e ele diz em uma das passagens bíblicas: “Vinde a mim os pequeninos, porque deles é o reino dos céus.”

Então penso que a figura de Papai Noel é a representação desta energia de amor incondicional. Papai Noel é um velho – um velho sábio - que está no mundo, mas não se corrompe com ele. Ele aparece, dá seu recado e se recolhe. A criança recebe o presente, aprende que doando pode fazer alguém feliz. Elas são o principio, a construção de um novo mundo, são aprendizes, poderão desenvolver este gesto por toda a vida, perpetuando a ação de presentear para fazer alguém feliz, presentear por gratidão, por amor, não por convenção. Jesus é o inconsciente coletivo iluminando o único caminho que desejamos: a FELICIDADE. Ele aflora o conceito do amor pelo amor, sem distinção.

Entre simbolismos tão importantes para o desenvolvimento humano, pergunto: onde foi que tudo isso se perdeu? Onde foi que o presente de Natal ficou mais importante do que a expressão do amor ao doá-lo e da gratidão ao recebê-lo? Onde está o nosso velho sábio? Será que ele ainda não aprendeu com a vida? Será que não está enxergando o materialismo que nos rouba do amor? E a nossa criança? Ela está aprendendo a ser altruísta ou egoísta? Umas com tanto, outras sem nada. Nossa criança está grata ou mimada?

E afinal é Natal. Mesas fartas, excessivamente fartas, muitas com alimentos tão nocivos. Presentes suntuosos, muitos só pela formalidade de presentear. Famílias unidas, muitas com tantos sentimentos velados, truncados, tantas feridas.

Para todos vocês desejo um feliz dia 25. Que seja um dia comum, como qualquer outro. Que seja pleno de amor – como todos os outros -, que seja um dia de gratidão – como todos os outros -, que seja um dia de palavras e ações verdadeiras – como todos os outros.


Se Papai Noel não materializar seu presente ou de outrem, aproveite a chance! Talvez um presente interno seja o que sua criança esteja necessitando. No contexto atual talvez o melhor seja não presentear para que possamos ganhar outros valores mais ricos e consistentes, até podermos voltar a presentear estreitando nossos laços com a gratidão. Acredito que assim teremos um Natal feliz e poderemos confraternizar com as crianças, com os sábios e com toda a humanidade.

A fruta do quintal vizinho é mais gostosa...Será?

Muitas pessoas pensam que podem ser felizes interferindo na felicidade alheia. Burlam regras, desconsideram valores e agem como se fossem o último biscoitinho do pacote. Penso que é necessário sentir-se seguro e infalível no seu empreendimento, certo do que está oferecendo e certo do que está querendo usurpar. É necessário estar seguro de si por completo. Ainda que esta segurança seja uma fachada do ego inflado, o EGOísta acredita no seu potencial, e de tão seguro de si, não cabe em si e perde seu mistério se expondo e se machucando na sua própria indiferença com a dor alheia.
Investir na infelicidade de outro ser humano sem se colocar no lugar dele requer um traço de cinismo, frieza e incapacidade de conquistar a si mesmo e por si mesmo. Exige uma necessidade explícita de competir, de querer vencer e levar a melhor. Quem deseja os frutos gerados no quintal ao lado não tem metas, não tem ideais. Julga o sonho do outro como uma farsa e assim resolve tê-lo para si.
Desejar a felicidade alheia pode ser uma alavanca para motivar as próprias ações no seu objetivo de ser feliz, mas interferir é fraudulento com a própria identidade com o humano. E assim vejo muitas pessoas seguirem se achando sem sorte e contando suas histórias de abandono e rejeição (sem perceber que de si mesmas!), de injustiças e trapaças. Decerto quem se submete ao furto não terá a recompensa da premiação. Toda colheita traz em si um trabalho que passa pelo cuidar da terra, pelo plantio, pelo regar diário. Nutrir-se dos frutos gerados é o merecimento pelo trabalho bem feito.
Se quer ser feliz torne-se merecedor praticando primeiramente a consciência da humildade. Elabore seu sonho e faça seu dever de casa para conquistá-lo. 
A falência pessoal, em qualquer área da vida, muitas vezes é resultante do sentimento de soberba em relação ao telhado vizinho. Fique atento.








UMA BREVE REFLEXÃO.

O que acontece depois que fechamos a porta quando chegamos à casa, à nossa casa?
O que pensamos? O que queremos? O que furtamos de nós? O que aceitamos em nós?
Nos desatamos ou atamos em nó? Ou seria em nós?
Tiramos as máscaras quando fechamos a porta.
Quem somos?
Verdades? Delírios? Amores? Sabores? Sonhos? Desejos profanos? Mentiras? Ódio? O bem? O mal?
Os sótãos,os porões tudo se abre quando fechamos a porta. Sinta, acolha, seja leal ao que possui - não existe traição quando se tem lealdade. Honre. Viva.
E quando a porta fechar, destranque-se.

Imagem extraída do google.

PARA NUTRIR O DIA DOS NAMORADOS

Dia dos namorados chegando....já, já é hora de celebrar o amor...ah, o amor!
Como nem só de coração acelerado, mãos trêmulas e frio na barriga vive o ser apaixonado, que tal incrementar a data com um ambiente aromatizado com óleo essencial de canela? Decore com flores! Elas dão o toque de delicadeza e harmonia. Valorize especialmente as rosas vermelhas para investir na paixão. Eros está no ar!


Para o cardápio aposte nos alimentos ricos em zinco como pistache e amêndoas e num caldinho de mariscos com uma pitada de pimenta malagueta. Finalize com morangos orgânicos com calda de chocolate amargo.



Para beber? Recorra a sensualidade do deus Baco! Um bom vinho ou prosecco, apreciado com moderação, dá o toque final.




Para o sucesso absoluto desta noite especial invista no amadurecimento da sua relação.  Converse, argumente, ceda quando for preciso e seja firme quando tiver que ser, mas antes de qualquer coisa, tenha certeza que “a outra metade” não é para te completar, mas sim a sua oportunidade de crescer e evoluir. Ame-se e dê ao outro o melhor de si. O amor que exige,  que sofre, que fere, que trai, que é infeliz é o amor que não conhece sua própria casa – o coração tolerante e paciente. Não cobre do seu amor, aquilo que você não tem. Identifique e resolva suas deficiências e seja inteiro. É melhor do que andar por aí se procurando na sua outra metade!


Feliz dia dos namorados, querido leitor!

Eros e Psique


Nutriente emocional: o componente precursor da saúde.


Eu tenho algumas perguntas para você: Quando você diz que quer ser saudável, o que você quer dizer? O que você, e só você, pode fazer para ser saudável? Como você pode assumir o controle da sua saúde? Quais serão seus novos comportamentos para alcançar a saúde? E por fim, qual é o estado emocional necessário para que você cumpra as ações para obter uma saúde equilibrada? Vamos lá, anote suas respostas e vamos em frente....

Todo objetivo que traçamos na vida necessita de ações bem definidas para que sejam alcançados, e com a saúde não é diferente. Creio que todos nós conhecemos pessoas muito competentes no seu trabalho, grandes gestores, profissionais altamente qualificados e muito bem-sucedidos financeiramente, mas que possuem dificuldades em seguir uma dieta alimentar, por exemplo, ou de abandonar o uso de cigarro ou até mesmo de bebidas alcoólicas. Sempre culpam o estresse para justificar suas escolhas. O que falta neles, então? São tão inteligentes! Simples, falta-lhes a competência emocional “que eleva a performance pessoal, profissional e social, e com isso, afeta decisivamente a qualidade de vida, o nível de satisfação e os resultados obtidos pelos indivíduos”.

O comportamento humano é definido pelas emoções. Ninguém vê uma pessoa falando alto, com o dedo em riste e com a testa franzida e diz que ela está feliz. Seu comportamento indica que está aborrecida, não é verdade? E a questão é a seguinte: se as minhas emoções não estão em equilíbrio, como posso ser verdadeiramente saudável? Ouço as pessoas dizendo que quando estão ansiosas comem muito ou não comem nada; que quando se aborrecem querem comer doce ou fumar um cigarro; que bebem para relaxar a pressão do trabalho. Afinal, como ter saúde quando as ações tomadas para compensar as emoções são totalmente contrárias a este fim? Concluindo esta reflexão é bom lembrarmos que emoções positivas nos nutrem com comportamentos que produzem resultados positivos. Se você quer ter saúde de verdade, alimente-se primeiramente da sua inteligência emocional: saiba lidar com suas próprias emoções e com as dos outros. Depois disso, mantenha seu foco. Ser saudável é possível, e você pode chegar lá!